Uberlândia receberá atividades na Semana da Cultura do Chá


   ​ ‍
 

Chá é a bebida derivada da planta Camellia sinensis e é o seu processamento que confere os diferentes perfis sensoriais de cada chá | Foto: Fran Micheli


 

Belo Horizonte, Poços de Caldas, Juiz de Fora, Uberlândia e Caeté são as cidades mineiras com atividades confirmadas na extensa programação da Semana da Cultura do Chá no Brasil, que acontece entre 29 de julho e 4 de agosto de 2024. O evento contará com workshops, cursos, promoções, degustações e ações especiais promovidas por marcas de chás e infusões no Brasil inteiro, tudo aberto ao público geral nos formatos digital e presencial.

 

Em Minas Gerais, as marcas participantes são: Tea Shop Mercado de Origem (Belo Horizonte); Lascaux Chocolates Rústicos (Poços de Caldas); Contochá (Juiz de Fora); Chá Brasil ( Uberlândia); Xícara Rasa (Uberlândia); Laura Faceroli (Juiz de Fora); Bistrô e Casa de Chá Marrege (Caeté).
 

O chá - bebida derivada da planta Camellia sinensis - vem conquistando espaço em cafeterias e ampliando o público mineiro que busca por um estilo de vida mais saudável e experiências gastronômicas diferenciadas. Isso porque o chá também se destaca como ingrediente de drinks, smoothies, lattes, sobremesas, pratos salgados e harmonizações.

 

Chá também tem espaço na terra do café

 

De acordo com Eneida Ribeiro, empreendedora e coordenadora da Semana do Chá no Brasil em Minas Gerais, o chá tem deixado de lado o status de 'estranho no ninho' para conquistar um público que busca por novidades.

 

"O mineiro, como todos sabem é cafezeiro. Mas, aos poucos estão se achegando ao chá e abrindo as portas para a bebida na sua rotina. Seja o chá especial ou infusão, o importante

é que a crença de que chá é somente 'remédio' vem dando lugar a um hábito saudável", diz.
 

Segundo com a coordenadora, o mercado de chás em Minas Gerais vem sendo impulsionado por tendências de saúde e bem-estar, e está trilhando um caminho promissor. "A diversificação de produtos e a adaptação às preferências locais são fundamentais para o sucesso. Estratégica de marketing eficazes, combinadas com parcerias e uma oferta diversificada, podem consolidar uma posição forte nesse mercado".

 

No Estado, o chá mais consumido é o verde, na versão quente e gelada, acompanhado de infusões e blends (que são misturas de Camellia sinensis com outras ervas, frutas e flores).

 

Semana quer formar público mais crítico
 

O amadurecimento do mercado do chá no Brasil foi o que motivou a criação da Semana, que está na segunda edição e irá reunir apaixonados pela bebida e empreendedores do setor em Minas Gerais, além de São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Pernambuco, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

 

A iniciativa nasceu através de amantes e profissionais do chá que compõem o grupo de Empreendedorismo Ético no Mercado de Chá. Este ano, a Semana da Cultura do Chá no Brasil também conta com o apoio da AbChá (Associação Brasileira de Chá).

 

"A Semana da Cultura do Chá no Brasil vai ajudar a educar o público de Minas Gerais sobre os diferentes tipos e forma de preparo do chá, aumentando a conscientização e incentivando a adoção desses produtos na cultura local", afirma Eneida.
 

Em 2022, a primeira edição da Semana contou com 250 empresas convidadas, cerca de 400 atividades e mais de 2.600 participantes, com apoio de embaixadas internacionais.

 

Um dos grandes objetivos da Semana da Cultura do Chá no Brasil é formar novos públicos e educar o consumidor para que ele consiga valorizar produtos de boa qualidade e fazer melhores escolhas.

 

As datas das atividades em Minas Gerais em breve serão divulgadas no site oficial: www.semanadocha.com.br.

 

Chá é tendência de consumo e mercado

 

Dados da pesquisa da Euromonitor International (Agosto/2021) indicam que o consumo de chá e infusões no Brasil cresceu 25% entre 2013 e 2020, quase o dobro da média mundial de 13%, comprovando o vasto interesse dos brasileiros pela bebida e um mercado promissor.
 

Já a Associação Brasileira de Chá (AbChá), apoiadora do evento, já abraça mais de 100 empresas dedicadas ao produto, incluindo produtores de chá nacionais, localizados no Vale do Ribeira, em São Paulo, pólo brasileiro importante no cultivo da Camellia sinensis.

 

Assessoria