Inadimplência do Agronegócio permanece relativamente estável em 2023, revela Serasa Experian

Informações inéditas divulgadas na segunda edição do Boletim Agro da Serasa Experian mostraram que, considerando apenas dívidas que venceram por mais de 180 dias e em setores que se relacionam às principais atividades do agronegócio, o cenário geral da população agro que atua como pessoa física registrou inadimplência de 7,1%, permanecendo praticamente estável. Com um sutil aumento de 0,8% nos últimos três meses de 2023, frente ao mesmo período do ano anterior.


"Apesar da alta sutil que registramos, esse ainda continua sendo um percentual pequeno que revela que a maior parte dos proprietários rurais está honrando seus compromissos financeiros no campo e, sendo assim, garantindo a estabilidade econômica, bem como fomentando a evolução do setor", explica o head de agronegócio da Serasa Experian, Marcelo Pimenta.


Em relação aos portes, os pequenos produtores rurais foram os menos afetados pela inadimplência no último trimestre de 2023. Apesar disso, os dados revelaram uma alta trimestral em todos os portes. Veja na tabela abaixo:


Regiões Agrícolas: a menor taxa de inadimplência foi registrada na região Sul

O Sul foi a região agrícola em que os proprietários rurais que atuam como pessoa física registraram os mais baixos níveis de inadimplência, marcando 4,8%. Por outro lado, o "Norte Agro", alcançou o percentual mais expressivo, esse de 10,3%.


Ao relacionar os dados de região com o porte da população agro é possível perceber um padrão que se repete na maioria das regiões agrícolas do Brasil, com os proprietários de pequeno e médio porte apresentando inadimplência menor que os proprietários de grande porte e os sem registro de cadastro rural, sendo o Norte Agro a exceção, onde os grandes proprietários foram os que tiveram a menor taxa de inadimplência. Fique por dentro dos dados completos na tabela a seguir:


Quanto mais experiência menor é a inadimplência

Os dados inéditos da Serasa Experian também revelaram que, quanto maior a idade do proprietário rural analisado, menor é sua taxa de inadimplência. Enquanto os jovens de 18 a 29 anos marcam 10,5%, pessoas mais experientes, com 60 a 69 anos, por exemplo, registraram 5,8%. Confira no gráfico abaixo os dados na íntegra:


2ª edição do Boletim Agro traz dados de fechamento do ano de 2023

 

A segunda edição do Boletim Agro, desenvolvido pela Serasa Experian, já está disponível para o acesso com os dados completos sobre o fechamento econômico-financeiro do ano de 2023 no setor. O material traz dados inéditos sobre diversos detalhamentos do cenário do agronegócio, com categorias específicas para o consumo de crédito rural, negativação, inadimplência e mais.

 

O principal diferencial desse relatório é sua riqueza de detalhes, que entrega informações gerais e segmentadas por porte, faixa etária, linha de crédito, tempo de dívida, regiões agrícolas, Unidades Federativas, entre outras. O relatório possibilita uma visão ampliada sobre a relação dos proprietários rurais com o mercado de crédito brasileiro, viabilizando a identificação de tendências, sazonalidades e comportamentos financeiros adotados em momentos de instabilidade, como em crises climáticas ou econômicas.

 

"Essa ação está alinhada ao nosso compromisso de democratizar o acesso à informação sobre o setor do agronegócio, disseminando conhecimento para embasar análises críticas e a tomada de decisão por parte do mercado, por exemplo. O material é um verdadeiro raio-x financeiro do agro no país e, dessa vez, traz dados de recuperação judicial, já que a ideia é ampliar sempre que possível esse conteúdo, inserindo novos insights importantes", finaliza o head de agronegócio da Serasa Experian, Marcelo Pimenta.

 

Acesse o Boletim Agro da Serasa Experian na íntegra clicando aqui!


Metodologia

Para o Indicador de Inadimplência do Agronegócio da Serasa Experian foram consideradas apenas pessoas com dívidas vencidas com mais de 180 dias e até 5 anos somando pelo menos R$ 1.000,00 dentre aquelas que estão relacionadas ao financiamento e atividades agronegócio, como, por exemplo, instituições financeiras, agroindústria de transformação e comércio atacadista agro, serviços de apoio à agropecuária, produção e revendas de insumos e de máquinas agrícolas, produtores rurais, seguradoras não-vida, transportes e armazenamentos.


Os indicadores foram calculados sobre a população rural constituída de cerca de 10,2 milhões de pessoas físicas dentre donos de propriedades rurais, aqueles que contrataram financiamentos rurais ou agroindustriais distribuídos dentre o universo de pessoas físicas que autorizam o seu uso no Cadastro Positivo e/ou que possuem registro de atividade de produtor rural.


O porte dos proprietários foi obtido após converter os tamanhos das propriedades em módulos fiscais (m.f.), seguindo as definições municipais estabelecidas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), somando os módulos fiscais de todas as propriedades do CPF e, finalmente, considerando os pequenos proprietários até 4 m.f., médios proprietários, acima de 4 m.f. e até 15 m.f., e grandes proprietários, acima de 15 m.f.


Com relação às regiões agrícolas: MATOPIBA contém os municípios do estado do Tocantins, do oeste da Bahia, do sul do Piauí e de grande parte do Maranhão conforme definido pela Portaria nº 244, de 12 de novembro de 2015 do Ministério da Agricultura e Pecuária; Norte Agro abrange a região norte do Brasil com exceção de Rondônia e Tocantins, além de incluir o noroeste de Maranhão; Nordeste Agro é composto pela região nordeste do Brasil, com exceção de MATOPIBA e do noroeste do Maranhão; Centro-Oeste Agro inclui os estados do Centro-Oeste e Rondônia, além do Distrito Federal; por fim, Sul e Sudeste coincidem com as regiões geográficas do Brasil.


Serasa