Entre normal e cesariana, o ideal é o parto adequado





No parto adequado, a gestante e o bebê estão no centro das decisões de como será conduzido esse momento

A jornada da gravidez faz com que a mulher dependa muito de apoio. Esse é o caminho que vai desde o começo da gestação até 42 dias pós-parto, período chamado de puerpério. A escolha do parto ideal, seja por via vaginal ou por meio da cesariana, vai depender da situação de saúde da mãe e do bebê. Essa é a base do conceito do parto adequado incentivado pela Hapvida NotreDame Intermédica.
Isso significa que a prática não está ligada a uma via específica de nascimento, podendo ser um parto vaginal, quando condições para tal, quanto uma cesariana, por indicação, sendo ela salvadora e necessária. "Nesse caso, a gestante e o bebê estão no centro das decisões de como será conduzido esse momento, com base em evidências científicas, que garantem a intervenção quando necessária. Para nós, o melhor cenário vai ser mães e bebês saudáveis", comenta a coordenadora de enfermagem do Nascer Bem da Hapvida NotreDame Intermédica, Natália Bruno.
Diante disso, desde a recepção da gestante até o pós-parto, oferecer às mulheres e aos bebês o cuidado certo, na hora certa, é uma das propostas do parto adequado. A iniciativa tutelada pela Hapvida NotreDame Intermédica independe da via escolhida para o parto, pois a ideia é apoiar o procedimento mais seguro para a futura mãe dar à luz, respeitando suas individualidades.
Ainda segundo Natália, no conceito do parto adequado, o melhor cenário sempre será ter mães e bebês saudáveis e, diante de gestações saudáveis, naturais e fisiológicas, a opção de um parto vaginal estará em primeiro lugar, sendo a mulher encorajada a enfrentar. O parto vaginal é recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por apresentar vantagens em comparação à cesárea, que é uma cirurgia e, como tal, envolve riscos.
"O parto normal traz uma série de benefícios, como menor risco de o bebê apresentar desconforto respiratório e precisar ficar na UTI neonatal. Para a mãe, há menor risco de ter hemorragia e complicações da cirurgia, além de facilitar a amamentação e proporcionar uma recuperação física mais rápida", detalha a diretora médica do programa Nascer Bem da Hapvida NDI, Daniela Leanza.
Não havendo possibilidade do parto vaginal, a cesárea também é vista como uma via de parto benéfica, segura, salvadora e indicada para a gestante e o bebê.
Com uma média de cinco mil partos ao mês, a Hapvida NotreDame Intermédica tem ultrapassado tanto a meta estabelecida pela própria empresa – realizar 30% de partos normais na rede própria, que conta com 50 maternidades – como a média da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), que é de 24,3% na rede privada no Brasil.

Puerpério
Outra preocupação é em relação a fase do puerpério das novas mães. Natália recomenda muita paciência e a busca por uma rede de apoio e ajuda profissional.
"O puerpério chega na vida das mulheres trazendo todas as emoções e os desafios que essa fase tão específica carrega. Mas é preciso paciência, tanto com esse novo membro, o bebê que acabara de nascer, quanto com essa mãe que também está renascendo", afirma a coordenadora.
Pré-natal
Na maior empresa de saúde da América Latina, um importante indicador é a taxa de internação em UTI neonatal. A meta é que menos de 7% dos recém-nascidos precisem de cuidados intensivos nos primeiros dias de vida. Esse indicador reflete a qualidade da assistência ao parto e da assistência pré-natal.
"O acompanhamento pré-natal é fundamental para prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças que podem complicar a evolução da gravidez", relata Christine Marques, diretora médica do Programa Gestação Segura da Hapvida NotreDame Intermédica.
"Nossa luta é sempre pela conscientização da paciente sobre a importância do início precoce do pré-natal, além da adesão às consultas e aos exames e tratamentos propostos. O início tardio do pré-natal ou o acompanhamento irregular podem atrasar o diagnóstico e prejudicar o tratamento de algumas doenças, como o diabetes gestacional e a pré-eclâmpsia", conclui Daniela.

Assessoria