Entenda o impacto da poluição sonora na saúde auditiva


A crescente exposição à poluição sonora tem se tornado uma preocupação significativa para a saúde pública. Estudos recentes indicam que os níveis elevados de ruído urbano podem causar danos irreversíveis à saúde auditiva da população, além de impactar o bem-estar geral.

A poluição sonora é uma das formas mais insidiosas de poluição ambiental, frequentemente negligenciada em discussões sobre saúde pública. No entanto, suas consequências são alarmantes. "De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a exposição contínua a níveis de ruído acima de 85 decibéis pode resultar em perda auditiva permanente. Ruídos comuns em grandes cidades, como o trânsito intenso, obras de construção e o funcionamento constante de aparelhos eletrônicos, frequentemente ultrapassam esse limite seguro", explica Dra. Vanessa Fonseca Gardini, fonoaudióloga especialista em reabilitação auditiva da Pró-Ouvir Aparelhos Auditivos, de Sorocaba (SP).

Principais impactos na saúde auditiva

- Perda permanente: a exposição prolongada a ruídos elevados pode danificar as células sensoriais do ouvido interno, levando a uma perda auditiva irreversível.

- Zumbido: muitas pessoas desenvolvem um zumbido constante nos ouvidos, conhecido como tinnitus, que pode ser debilitante e afetar a qualidade de vida.

- Estresse e ansiedade: o ruído excessivo contribui para o aumento dos níveis de estresse e ansiedade, impactando negativamente a saúde mental.

- Distúrbios do sono: a poluição sonora pode interromper o sono, levando a uma série de problemas de saúde relacionados à privação de sono, como fadiga, irritabilidade e redução da capacidade cognitiva.


Para mitigar os impactos da poluição sonora na saúde auditiva, é essencial a implementação de políticas públicas eficazes e a conscientização da população. Algumas medidas incluem:

- Regulamentação de níveis de ruído: estabelecer e fazer cumprir normas de controle de ruído em áreas urbanas.

- Campanhas educativas: informar a população sobre os riscos da exposição ao ruído e promover comportamentos de proteção, como o uso de protetores auriculares.

- Monitoramento contínuo: implementar sistemas de monitoramento de ruído para identificar e controlar fontes de poluição sonora.

"A área de profissionais da saúde auditiva recomenda que as pessoas limitem sua exposição aos ruídos e adotem medidas preventivas, como utilizar fones de ouvido com moderação e evitar locais excessivamente barulhentos,

além de realizar exames auditivos regulares e adotar o uso de protetores auriculares em ambientes ruidosos, para preservar a saúde auditiva e garantir uma melhor qualidade de vida", comenta a fonoaudióloga Dra. Vanessa Fonseca Gardini.

Assessoria