Check-up cardiológico: quem precisa fazer?

As doenças cardiovasculares são responsáveis por 30% das mortes no Brasil, totalizando 400 mil óbitos por ano, segundo o Ministério da Saúde. Esse fator pode ser evitado, na maioria dos casos, com a detecção precoce de doenças e disfunções cardíacas. Fazer um check-up cardiológico é uma prática recomendada tanto para pessoas com fatores de risco quanto para aqueles que se consideram saudáveis.

A partir dos 40 anos, mesmo sem apresentar sintomas de problemas cardíacos, é essencial consultar um cardiologista para organizar um check-up da saúde do coração. Consultas e exames periódicos podem identificar alterações precoces, ajudando na prevenção de doenças cardiovasculares, e caso alguma condição seja detectada, o tratamento pode ser iniciado rapidamente.

 

Atenção Redobrada no Inverno

A atenção à saúde do coração deve ser intensificada principalmente nos dias mais frios. O inverno, que começa em 21 de junho, está associado ao aumento de casos e mortalidade cardiovascular. O Dr. Rodrigo Alves, cardiologista intervencionista e responsável técnico do Instituto do Coração do Triângulo (ICT), explica como o clima frio aumenta os riscos.

"Precisamos cuidar da saúde do coração o ano todo e considerar o check-up cardiológico para pessoas saudáveis a partir dos 40 anos e para aqueles com maior predisposição ou sintomas cardíacos, a partir dos 20 anos. Porém, no inverno, o risco de infarto pode ser até 30% maior. As baixas temperaturas fazem com que os vasos sanguíneos se contraiam, aumentando a pressão arterial e forçando o coração a trabalhar mais. Além disso, o frio pode desencadear uma resposta de estresse no organismo, aumentando a liberação de hormônios como a adrenalina, que pode causar constrição das artérias coronárias", explica o especialista.

 

Fatores de risco que reforçam a necessidade do check-up cardiológico

As doenças cardíacas podem ter origem hereditária ou resultar de maus hábitos. Pessoas com histórico familiar de doenças cardiovasculares ou estilo de vida sedentário estão entre os que possuem maior risco. Confira as condições que demandam mais atenção:

  • Histórico familiar de problemas no coração
  • Obesidade
  • Tabagismo
  • Sedentarismo
  • Rotinas de trabalho estressantes
  • Diabetes, doenças endócrinas, problemas renais e hipertensão

 

Quais exames devem ser realizados?

O primeiro passo do check-up cardiológico é a avaliação clínica do cardiologista, que investigará os hábitos de saúde, rotina e fatores de risco do paciente. Dentre os exames mais comuns para o monitoramento da saúde do coração estão:

  • Ecocardiograma: avalia o fluxo sanguíneo, estrutura e funcionamento do coração.
  • Eletrocardiograma: analisa a atividade elétrica e o ritmo do coração, identificando possíveis arritmias e risco de infarto.
  • Holter: registra alterações cardíacas durante 24 horas.
  • Teste Ergométrico: avalia o comportamento do coração sob esforço.

 

Periodicidade dos exames

Rodrigo Alves orienta que a frequência dos exames deve ser indicada pelo cardiologista. "Para pessoas sem sintomas, geralmente os exames são realizados a cada dois anos. Para aqueles com fatores de risco, a avaliação deve ser mais frequente, conforme indicado pelo especialista consultado", destaca o médico.

 

Doenças que podem ser prevenidas com o check-up cardiológico

As avaliações rotineiras ajudam a prevenir diversas doenças cardíacas, como infarto, arritmias, hipertensão, insuficiência cardíaca, AVC, angina, cardiomiopatias e arteriosclerose. Além da prevenção, as consultas e exames periódicos também permitem a detecção precoce de problemas cardiovasculares, possibilitando um tratamento mais ágil e eficaz.

 

Outros bons hábitos para a saúde do coração

Além do check-up cardiológico, manter hábitos saudáveis também é crucial para a saúde do coração:

  • Alimentação saudável: uma dieta equilibrada melhora o funcionamento do corpo e previne doenças crônicas.
  • Atividade física regular: exercícios físicos diminuem os níveis de glicose no sangue e o risco de trombose.
  • Controle da pressão arterial: monitorar regularmente a pressão arterial ajuda a diagnosticar e tratar a hipertensão antes que cause complicações graves.

 

Cuidado integral para a saúde do coração em Uberlândia

As unidades da Oncoclínicas em Uberlândia oferecem cuidados integrais para a saúde do coração, desde o primeiro atendimento cardiológico até tratamentos avançados com procedimentos minimamente invasivos.

O ICT – Instituto do Coração do Triângulo é referência em cardiologia de alta complexidade, equipado com tecnologias de ponta e o primeiro pronto atendimento cardiológico especializado da região.

O Hospital UMC foi pioneiro no oferecimento de pronto atendimento cardiológico diferenciado para pacientes na região de Uberlândia. Além disso, também é precursor na realização de cirurgias cardíacas robóticas em Minas Gerais. Procedimentos como correção de comunicação interatrial (CIA), ponte de safena, cirurgias na valva mitral, correções de cardiopatias congênitas, além do tratamento de tumores cardíacos, podem ser feitos por meio do robô na unidade.

 

Sobre a Oncoclínicas&Co

A Oncoclínicas&Co. - maior grupo dedicado ao tratamento do câncer na América Latina - tem um modelo especializado e inovador focado em toda a jornada do tratamento oncológico, aliando eficiência operacional, atendimento humanizado e especialização, por meio de um corpo clínico composto por mais de 2.700 médicos especialistas com ênfase em oncologia. Com a missão de democratizar o tratamento oncológico no país, oferece um sistema completo de atuação composto por clínicas ambulatoriais integradas a cancer centers de alta complexidade. Atualmente possui 145 unidades em 39 cidades brasileiras, permitindo acesso ao tratamento oncológico em todas as regiões que atua, com padrão de qualidade dos melhores centros de referência mundiais no tratamento do câncer.

Com tecnologia, medicina de precisão e genômica, a Oncoclínicas traz resultados efetivos e acesso ao tratamento oncológico, realizando aproximadamente 635 mil tratamentos nos últimos 12 meses. É parceira exclusiva no Brasil do Dana-Farber Cancer Institute, afiliado à Faculdade de Medicina de Harvard, um dos mais reconhecidos centros de pesquisa e tratamento de câncer no mundo. Possui a Boston Lighthouse Innovation, empresa especializada em bioinformática, sediada em Cambridge, Estados Unidos, e participação societária na MedSir, empresa espanhola dedicada ao desenvolvimento e gestão de ensaios clínicos para pesquisas independentes sobre o câncer. A companhia também desenvolve projetos em colaboração com o Weizmann Institute of Science, em Israel, uma das mais prestigiadas instituições multidisciplinares de ciência e de pesquisa do mundo, tendo Bruno Ferrari, fundador e CEO da Oncoclínicas, como membro de seu board internacional. Além disso, a Oncoclínicas passou a integrar a carteira do IDIVERSA, índice recém-lançado pela B3, a bolsa de valores do Brasil, que destaca o desempenho de empresas comprometidas com a diversidade de gênero e raça.


Assessoria