Entrevista com artistas da Última sessão de Freud

Entrevista com artistas da Última sessão de Freud Grande sucesso do teatro brasileiro, a peça A Última Sessão de Freud chega ao Teatro Municipal para duas apresentações nos dias 1 e 2 de junho, no sábado às 20h e no domingo às 18h. Visto por mais de 90 mil pessoas desde a estreia, em 2022, o espetáculo tem no centro dois personagens importantes do século XX: o pai da psicanálise, Sigmund Freud, vivido por Odilon Wagner (indicado como melhor ator ao Prêmio Shell, Prêmio APCA e Prêmio Bibi Ferreira por este trabalho), e o escritor C.S. Lewis, interpretado por Marcello Airoldi – dois intelectuais que influenciaram o pensamento científico filosófico da sociedade do século 20. Escrita pelo dramaturgo norte-americano Mark St. Germain e dirigida por Elias Andreato, a trama apresenta um encontro fictício entre Freud e C.S. Lewis. Os pensadores conversam no consultório do psicanalista na Inglaterra, onde Freud estava exilado após fugir da perseguição nazista durante a Segunda Guerra Mundial, no ano de 1939. Ao longo do diálogo, Freud, ateu e crítico implacável da crença religiosa, e C.S. Lewis, renomado professor de Oxford, crítico literário, ex-ateu e influente defensor da fé baseada na razão, debatem, de forma apaixonada, o dilema entre o ateísmo e a fé em Deus. O psicanalista tenta entender por que um intelectual como C.S. Lewis, pode, segundo suas palavras, “abandonar a verdade por uma mentira insidiosa”, tornando-se um cristão convicto. Além das questões em torno da existência ou não de Deus, os personagens conversam sobre o sentido da vida, a natureza humana, sexo e morte, resultando em um espetáculo que se conecta profundamente com o espectador através de ferramentas como o humor, a sagacidade e o resgate da escuta como ponto de partida para uma boa conversa. O sarcasmo e ironia rondam toda essa discussão. As ideias contundentes ali propostas nos confundem, por mais ateus ou crentes que sejamos.