Como identificar a dor em pets?


Cães e gatos, somados, compõem uma população de 102 milhões de indivíduos. Tratados como membros da família, os pets vivem mais e melhor, mas a longevidade também pode vir acompanhada de alguns problemas de saúde, como as dores articulares. Aprenda como identificar a dor e quais medidas tomar.

A população de pets no Brasil é hoje uma das maiores do mundo, somando 168 milhões de indivíduos, segundo os dados mais recentes do Euromonitor e Abinpet (Associação Brasileira de Produtos para Animais de Estimação). Destes, aproximadamente 68 milhões são cães e 34 milhões são gatos.  Considerando o Censo 2022 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que contabilizou 203 milhões de pessoas, podemos entender que praticamente todo mundo tem um pet para chamar de seu.

Integrados às rotinas das famílias, os pets têm vivido mais e melhor. Mas uma vez que nossos companheiros não conseguem falar o que sentem, nem sempre é possível detectar que estejam enfrentando algum problema de saúde. Por isso é fundamental que os tutores fiquem atentos a alguns sinais que podem indicar que o animal está sentindo dor. A Elanco Saúde Animal, empresa referência no desenvolvimento de soluções para a saúde e o bem-estar de animais de produção e de companhia, listou alguns destes sinais e também apontou algumas enfermidades que podem se manifestar com quadros de dor e possíveis caminhos de tratamento. Confira.

  1. Mudanças no comportamento, como irritabilidade, agressão, letargia ou falta de interesse em atividades que agradavam o pet, como passear, brincar, pular, entre outras.
  2. Vocalização excessiva, como gemidos, uivos ou miados frequentes.
  3. Mudanças na alimentação ou no padrão de sono. Por exemplo: comer menos ou dormir mais.
  4. Lamber excessivamente uma área específica do corpo pode indicar uma dor localizada.
  5. Mudança na postura, como ficar encurvado ou mesmo não querer se movimentar, sair do lugar onde está.
  6. Respiração rápida ou ofegante sem que o animal esteja em situação de esforço físico ou calor pode ser um sinal de dor.

“É sempre bom estar atento aos sinais e consultar seu médico-veterinário de confiança que além de fazer a avaliação em consultório, poderá solicitar exames adicionais para compreender a causa da dor no animal”, explica Mariana Cappellanes Flocke, médica-veterinária e consultora técnica sênior da Elanco.

Segundo Mariana, há uma série de doenças que podem causar dor em nossos animais de estimação, mas algumas são mais comuns. “Otites, doenças periodontais, câncer e infecções podem causar grande desconforto nos pets”, afirma.

“Sem dúvida, ainda precisamos considerar e aprender a reconhecer as dores articulares nos pets. A inflamação e degeneração das articulações, conhecida como osteoartrite (OA) é comum em pets de todas as idades, e muitas vezes com o diagnóstico falho, a doença só é descoberta quando o pet já é idoso, e a doença em estágio avançado”, explica.

Os animais com osteoartrite também podem apresentar mudanças no comportamento, especialmente desconforto ou irritabilidade ao se locomover. A médica veterinária alerta ainda para rigidez nas articulações após períodos de repouso e claudicação, isto é, caminhar, levantar, deitar de forma diferente do habitual.  “Todos os sinais mencionados anteriormente podem ser considerados para a detecção de uma dor provocada pela osteoartrite. A dor compromete a qualidade de vida do pet e interfere em todas as suas atividades, gerando um sofrimento muitas vezes silencioso”.

Tratamento – A Elanco vem se dedicando ao desenvolvimento de soluções para o tratamento eficaz de quadros associados à osteoartrite em cães e traz em seu portfólio o Galliprant™ que atua no controle da dor e inflamação associada à OA, permitindo que os cães tenham controle da dor articular e possam recuperar sua qualidade de vida. O medicamento proporciona conforto para realização de atividades do dia a dia com seus tutores, além de exercícios que ajudam a melhorar sua força e postura.

Galliprant™ é o primeiro AINE (Anti-inflamatório Não Esteroidal) da classe piprant, um antagonista do receptor EP4 da prostaglandina E2. Em outras palavras, o medicamento atua de maneira seletiva no controle da dor relacionada especificamente a OA, e não interfere no equilíbrio funcional do sistema gastrointestinal, rins e fígado. Por esse motivo, pode ser usado com segurança a curto, médio ou longo prazo, a depender da indicação do médico-veterinário.

A osteoartrite é uma doença articular degenerativa, ou seja, trata-se de uma enfermidade progressiva e de ação lenta. Ela pode acometer uma ou várias articulações, prejudicando a qualidade de vida do paciente. Além do medicamento adequado, é recomendada uma terapia multimodal, que pode envolver fisioterapia e exercícios de fortalecimento.

Segundo Mariana, o quanto antes a osteoartrite for descoberta, melhor para a saúde do animal. “A doença é silenciosa, principalmente nos estágios iniciais, por isso o diagnóstico precoce é necessário e os médicos-veterinários devem estar em constante alerta para avaliar e detectar manifestações clínicas da osteoartrite nas consultas periódicas"

Galliprant™, ao lado de outros produtos da linha de Pet Health da Elanco, levou a empresa a receber a certificação de “Empresa Amiga do Bem-estar Animal”. O selo faz parte do programa de certificações de terceira parte da FairFood que, desde 2019, atua com protocolos que buscam reconhecer ações sustentáveis, fortalecendo ações para um futuro com respeito aos animais.

Assessoria